BLOG

Um ranking elaborado pela Universidade de Chicago e divulgado pela revista Forbes (jun/2013), pesquisou o grau de satisfação dentro de diversas carreiras para chegar ao Top 10 das mais felizes e infelizes. Entre as 10 atividades mais felizes, nenhuma é da área de TI ou tecnologia em geral. Mas, das mais infelizes, várias estão diretamente ligadas a essas áreas.
O Analista de Suporte Técnico aparece como a 8º profissão de pessoas mais infelizes. Pode ser uma característica da área de TI, pois a profissão que aparece como de maior infelicidade é a de Diretor de Tecnologia da Informação, o que deixa claro que salário alto ou status, tão somente, não trazem felicidade aos profissionais.
O que pode ser feito para dar um empurrãozinho na felicidade, diminuir o stress e aumentar a autoestima de nossas equipes técnicas?
Separei seis dicas que podem ajudar gestores que estão preocupados com a infelicidade dentro das equipes:

 

  • Não há felicidade no caos: Dificilmente alguém vai conseguir trabalhar bem em um lugar sem regras, processos e atividades mapeadas. Se o seu Centro de Suporte não possui seus processos claramente definidos, um catálogo de serviços eficiente ou uma base de conhecimento que ajude seus técnicos a resolver as solicitações mais facilmente, está aí seu ponto de partida. Ninguém consegue ser feliz no caos. Trate isso tudo como investimento e busque apoio do negócio. O ROI é fácil de mapear, seja pela melhora do atendimento aos clientes, diminuição do absenteísmo e, até, queda da taxa de turnover.
  • Explicite a importância da atividade: A área de Suporte é das mais importantes nas companhias. Porém, muitas vezes, não recebe o apoio e o tratamento estratégico que deveria receber. Além de falar, é preciso mostrar ao time a importância que a atividade possui. Isso é percebido através de salários condizentes com o mercado, premiações por meritocracia, plano de carreira estabelecido (isto é fundamental e poucas possuem), participação nos lucros e demais benefícios. É preciso demonstrar que a empresa valoriza, de fato, o colaborador e a função.
  • Crie metas coerentes e comemore as conquistas: Segundo muitos especialistas, comemorar conquistas é fator decisivo para a felicidade no trabalho. Incentive e patrocine as comemorações, gere premiações. Se não possui orçamento para isso, seja criativo. Dia de folga, por exemplo, é dos prêmios mais desejados segundo as pesquisas. Comemore em público e destaque quem está fazendo a diferença. Um simples “muito obrigado” tem valor incalculável.
  • Crie um ambiente mais agradável: A atividade por si só já é bastante estressante, se o ambiente de trabalho for hostil, muito barulhento ou desconfortável, será fator de infelicidade. Invista em mobilhas e acessórios confortáveis, incentive os colaboradores a deixar o ambiente o mais agradável possível, com fotos da família, itens pessoais de decoração (nas suas mesas) e, quem sabe, pinte as paredes com cores relaxantes. Deixe as pessoas o mais confortáveis possível. Uma boa dica é consultar o próprio time, certamente surgirão ótimas sugestões. Tornar o ambiente mais humano, e menos frio, é sempre produtivo e traz ótimos frutos.
  • Invista em uma sala de descompressão: Muitas empresas investem fortemente em ambiente voltados a diminuição do stress e oxigenação durante a jornada de trabalho. Esses espaços devem ser confortáveis, alegres e distantes do ambiente normal de trabalho. Que tal colocar uma TV, internet liberada, um videogame de última geração, jogos de tabuleiro, máquina de café, livros e uns pufs. Pronto, o ambiente está perfeito para seu time relaxar um pouco. Você vai perceber que após alguns minutos de descompressão, o colaborador volta cheio de energias e novas ideias. Vale a pena!
  • Seja o melhor gestor que puder ser: Na maioria das vezes o profissional pede demissão do chefe e não da empresa que trabalha. Preocupe-se genuinamente com seu time, brinde-o de forma eficiente de problemas desnecessários e lidere com paixão e responsabilidade. Leia muito e troque informações com outros gestores, esteja atento a cada pessoa, individualmente. Cada um tem as suas necessidades e não existe fórmula mágica para alcançar a todos. Seja justo, imparcial e honesto. Procure entender os motivos da não felicidade de cada um e trabalhe para reverter isso. Incentive o trabalho em equipe e mantenha as portas da sua sala e, principalmente, seu coração e ouvidos bem abertos.

 

* Rodrigo Rico é profissional de carreira na área de Suporte, iniciou como Analista e, posteriormente, atuou em NOC’s e na Coordenação de equipes de Service Desk e Field Support. Possui certificação SCM (HDI – Support Center Manager) e ITIL v3. Atualmente é Gerente de Suporte na Bematech S/A, possuindo mais de 14 anos de experiência na área. É vice-presidente do Software Advisory Board do HDI Brasil.